Revista Recre@rte Nº5 Junio 2006 ISSN: 1699-1834       http://www.iacat.com/revista/recrearte/recrearte05.htm

GERENCIAMENTO DO CUIDADO
NO PROGRAMA DE HANSENÍASE

 

ADMINISTRATION OF THE CARE
IN THE PROGRAM OF HANSENÍASE

 

AUTORAS

 

CÁTIA ANDRADE SILVA - Mestre em Enfermagem na área de concentração O Cuidar em Enfermagem da Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia (UFBA); Docente da Faculdade de Tecnologias e Ciências – SSA/Ba; Especialista em Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva pela Faculdade de Enfermagem Luíza de Marillac; Especialista em Educação Profissional na Área de Saúde: Enfermagem, pela Escola Nacional de Saúde Pública.

 

BÁRBARA ARAÚJO: Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Tecnologia e Ciências SSA/Ba.

 

JANINE ANDRADE: Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Tecnologia e Ciências SSA/Ba.

 

KELLY SILVA: Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Tecnologia e Ciências SSA/Ba.

 

MANUELA BURKE: Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Tecnologia e Ciências SSA/Ba.

 

MARIANA LIMA: Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Tecnologia e Ciências SSA/Ba.

 

SIMONE CORREIA: Discente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Tecnologia e Ciências SSA/Ba.

 

 

 

GERENCIAMENTO DO CUIDADO
NO PROGRAMA DE HANSENÍASE

 

RESUMO: A Hanseníase é uma doença crônica que acomete principalmente a pele, nervos periféricos e a mucosa do trato respiratório superior e a assistência ao portador é feita no âmbito dos programas de hanseníase, que são operacionalizados a partir de um protocolo estabelecido pelo Ministério da Saúde. Objetivou-se identificar o gerenciamento do cuidado, em uma unidade básica de saúde, dentro do programa de hanseníase. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, tipo estudo de caso. Os dados foram coletados através de entrevistas realizadas com a enfermeira do programa, no período de 06 a 27/09/05. Os resultados evidenciaram que há: falhas de interdisciplinariedade entre os profissionais da equipe; falta do profissional médico; desarticulação do programa com o serviço social e com a nutrição; o diagnóstico é realizado apenas pela enfermeira; não são solicitados exames básicos para estabelecimento do diagnóstico; não ocorre busca-ativa; estão ausentes do programa os ACSs e auxiliar de enfermagem; e há ausência de realizações de atividades direcionadas para a educação à saúde no âmbito coletivo. Conclui-se que o processo de gerência do cuidado dentro do programa de hanseníase precisa solucionar os problemas identificados acima para que o mesmo funcione harmonicamente e haja resolutividade dos casos em tratamento.

 

Palavras-chave: Hanseníase; Gerenciamento do cuidado; Enfermagem.

 

 

 

 

ADMINISTRATION OF THE CARE
IN THE PROGRAM OF HANSENÍASE

 

ABSTRACT: The hanseníase is a chronic disease that attacks the skin, outlying nerves and the mucous membrane of the superior breathing treatment and the attendance mainly payable to the bearer it is done in the ambit of the hanseníase programs, that they are implemented starting from an established protocol for ministry of health. It was aimed at to identify the administration of the care, in a basic unit of health, inside of the hanseníase program. It is a qualitative research, type case study and the collection of data if she gave through interviews accomplished with the nurse of the program, in the period from 06 to 27/09/05. The results evidenced that there is: in the communication flaws among the professionals of the team; lacks of the medical professional; relationship lack of the program with the social service and with the nutrition; the diagnosis is just accomplished by the nurse; they are not requested basic exams for establishment of the diagnosis;  doesn't happen search-active; they are absent of the program ACSs and nursing assistant; and there is absence of accomplishments of activities addressed for the education to the health in the collective ambit. It is ended that the process of management of the care inside of the hanseníase program he needs to solve the identified problems above so that the same works harmoniously and there be solution of the cases in treatment. 

     

Keywords: Hanseníase; Administration of the Care; Nursing. 

 

 

 

GERENCIAMENTO DO CUIDADO
NO PROGRAMA DE HANSENÍASE

 

INTRODUÇÃO

A hanseníase é uma doença crônica granulomatosa proveniente de infecção causada pelo Mycobacteruim leprae1,2. Essa é tratada na rede pública mediante atendimento pelo programa de hanseníase.

O programa de hanseníase é norteado por diretrizes pré-estabelecidas pelo Ministério da Saúde. Essas conferem ao mesmo um caráter formal, onde os profissionais tem seu papel pré estabelecido, favorecendo, assim à resolutividade dos casos diagnosticados.

Neste contexto, pode-se inferir que o gerenciamento do programa de hanseníase é imprescindível para que o mesmo seja operacionalizado de acordo com o protocolo. E, sabe-se que, na maioria dos centros de saúde, esse programa é gerenciado pelo enfermeiro.

Assim, com base nessas afirmações traçamos como objetivo identificar o gerenciamento do cuidado, em uma Unidade Básica de Saúde, dentro do programa de hanseníase.

A relevância desse trabalho se concentra na predisposição da doença na Bahia e no importante papel do enfermeiro dentro do programa, pois percebemos que o mesmo é um articulador entre os profissionais que assistem o paciente com hanseníase, bem como apreendemos que o seu papel representa o sustentáculo do programa.

 

METODOLOGIA

O presente estudo tem uma abordagem qualitativa, uma vez que esse tipo de pesquisa permite mostrar um bom conteúdo, se importando com a qualidade do que será desenvolvido e não necessariamente com a quantidade.

Segundo Richardson3, a pesquisa qualitativa pode ser caracterizada como a busca de um entendimento minucioso dos significados e qualidades das situações mostradas pelos entrevistados, em lugar da elaboração de medidas quantitativas de características ou compartimentais.

A respeito do estudo de caso, muitos estudiosos têm ressaltado seu valor para elaboração de determinadas pesquisas, por exemplo Gil4, definiu o estudo de caso como sendo uma forma de pesquisa amplamente utilizada nas ciências biomédicas e sociais. Consiste no estudo intenso e fatigante de um ou poucos objetos de modo que permita seu abundante e detalhado conhecimento.

O estudo foi realizado em um Centro Municipal de Saúde, situado na cidade de Salvador, com uma amostra composta por duas enfermeiras, responsáveis pelo Programa de Hanseníase.

Para a coleta de dados utilizou-se a entrevista semi-estruturada e a observação que segundo Trivños5 são definidas como aquelas que partem de algumas discussões básicas, sustentada em opiniões que interessam à pesquisa, e que, logo depois oferecem grande espaço de dúvidas, frutos de novas hipóteses que vão aparecendo à medida que recebem as respostas do informante.

A coleta de dados ocorreu no período de 06/09/05 à 27/09/05.

A análise foi realizada com base nas referências bibliográficas relacionadas à temática da hanseníase, onde se comparou a situação encontrada no gerenciamento do programa com o que é estabelecido no protocolo pelo Ministério da Saúde.

 

CONHECENDO O PROGRAMA DE HANSENÍASE

A hanseníase é uma das mais antigas doenças que acomete o homem. As referências mais remotas datam de 600 a.C. e procedem da Ásia, que juntamente com a África podem ser consideradas como o berço da doença. A melhoria das condições de vida e o avanço do conhecimento científico modificaram significativamente esse quadro e, hoje a hanseníase tem tratamento e cura2.

A hanseníase é uma doença infecto-contagiosa, de evolução lenta, período de incubação médio de três anos, que se manifesta principalmente através de sinais e sintomas dermatoneurológicos: lesões na pele e nos nervos periféricos, principalmente nos olhos, mãos e pés. O agente causador desta é o Micobacterium Leprae (bacilo de Hansen), um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por células dos nervos periféricos, que se instala no organismo da pessoa infectada, podendo se multiplicar6.

 safdsfagfddgafgfggggDemostrou-se que o M. leprae é um bacilo com alto poder infectante e baixo poder patogênico. Depois da sua entrada no organismo, não ocorrendo a sua destruição, este irá se localizar na célula de Schwann e na pele. Sua disseminação para outros tecidos pode ocorrer nas formas mais graves da doença, nas quais o agente infectante não encontra resistência contra a sua multiplicação. Nesse caso, os linfonodos, olhos, testículos e fígado podem abrigar grande quantidade do bacilo8 ,17,18,24.

A transmissão se dá predominantemente por via respiratória e os pacientes multibacilares (MB) são considerados a principal fonte de infecção7.

Um grande avanço vem sendo registrado no controle dessa endemia, o que pode, em parte, ser observado na sua prevalência, que é parâmetro internacional de eliminação. Na Bahia não houve declínio importante da prevalência durante a década de 90, o que implica na necessidade de maior investimento na qualificação de profissionais capazes de diagnosticar e tratar adequadamente os casos, bem como na organização e estruturação dos serviços de saúde2.  

No Brasil houve uma redução importante da prevalência que passou de 18,5/100.000 habitantes em 1990 para 4,44/100.000 habitantes em 2002. Entretanto, esse indicador ainda é bastante elevado em relação à prevalência definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para se considerar essa doença eliminada, enquanto problema de saúde pública21.

O coeficiente de prevalência é um indicador de eliminação recomendado pela OMS, tendo como meta menos de um doente a cada 10.000 habitantes até o final de 200521. A estratégia principal para alcançar essa meta está concentrada principalmente na integração da vigilância epidemiológica com a atenção básica, tornando mais acessível o diagnóstico e o tratamento, impedindo assim a manutenção da cadeia de transmissão de pessoa a pessoa.

Foram priorizados pelo Ministério da Saúde 12 municípios baianos que representam 3% dos municípios do Estado, onde vivem 30,65% da população (4.153.866 habitantes), e que foram responsáveis por 62% (1.991 casos) dos casos novos, com um incremento de 33% em relação à prevalência da Bahia (4,8/10.000 habitantes), no ano 200421.

No estado da Bahia a taxa de detecção vem aumentando, o que, em uma doença contagiosa como hanseníase, é um fator importante para reduzir a possibilidade de que casos não diagnosticados e tratados continuem alimentando a cadeia de transmissão da doença. Nesse sentido, cada vez mais se torna importante a estruturação dos serviços, a capacitação dos profissionais e a divulgação de informação para todo o segmento da sociedade civil organizada com o objetivo de socializar o conhecimento em torno da doença e construir parceiros nesta luta pela eliminação da hanseníase na Bahia21,22.

Atualmente 53 municípios são considerados prioritários por representarem 80,5% de prevalência e 84,3% dos casos novos detectados no ano de 2004. Dentre estes, destacamos doze municípios (Barra, Barreiras, Belmonte, Eunápolis, Feira de Santana, Itabuna, Juazeiro,Paulo Afonso, Porto Seguro, Remanso, Salvador e Teixeira de Freitas) que correspondem a mais de 30% da população do Estado e concentram mais de 50% dos casos na Bahia22.

No registro ativo constam atualmente 6.559 casos de hanseníase, com taxa de prevalência de 4,8/ 10.000 habitantes. A taxa de detecção nos municípios prioritários mostrou-se elevada em relação à do Estado (2,37/10.000 habitantes), com exceção dos municípios de Salvador e Feira de Santana. Também chama a atenção a alta taxa de detecção nos menores de 15 anos, o que sinaliza para a existência de prevalência oculta em alguns municípios com baixa captação de casos na rotina, favorecendo a permanência da cadeia de transmissão da doença de forma intradomiciliar11.

As formas de manifestação da hanseníase dependem da resposta imune do hospedeiro ao bacilo causador da doença. Esta resposta pode ser verificada através do Teste de Mitsuda, que representa uma resposta tardia, tipo granulomatosa, avaliada 28 dias após a inoculação da lepromina. Considerada reação induzida a antígenos solúveis, sendo útil para classificação de formas clínicas e prognósticos da hanseníase7.

Temos então, as seguintes formas clínicas da doença: indeterminada que se caracteriza pelo aparecimento de manchas hipocrômicas, com alteração da sensibilidade, ou por áreas de hipoestesia na pele; tuberculóide onde são encontradas lesões bem delimitadas, anestésicas e de distribuição assimétrica, com bordas papulosas e áreas da pele eritematosas ou hipocrômicas; virchowiana que é uma forma multibacilar correspondente ao pólo de baixa resistência à doença.

Dentro do aspecto imunológico da mesma, caracterizando-se cronicamente por infiltração progressiva e difusa da pele, mucosas das vias aéreas superiores, olhos, nervos, podendo afetar ainda os linfonodos, fígado e baço; e a forma clínica dimorfa caracterizada por comprometimento sistêmico ocorrendo infiltração assimétrica da face, dos pavilhões auriculares, bem como lesões na nuca e no pescoço e lesões neurais levando a incapacidades físicas8.

Nos indivíduos portadores da doença, os sinais e sintomas dermatológicos e neurológicos apresentados são: manchas adormecidas na pele, dores, câimbras, formigamento, dormência nos braços, pés e mãos, neurites com pouca ou nenhuma lesão no nervo9,10.

O diagnóstico clínico é realizado através do exame físico onde procede-se uma avaliação dermatoneurológico, buscando-se identificar sinais clínicos da doença, tais como: lesões de pele com alteração de sensibilidade, neurites, incapacidades e deformidades. Antes, porém, de dar-se início ao exame físico, deve-se fazer a anamnese colhendo informações sobre a sua história clínica, ou seja, presença de sinais e sintomas dermatoneurológicos característicos da doença e sua história epidemiológica, ou seja, sobre a sua fonte de infecção6.

O diagnóstico laboratorial é realizado através da baciloscopia que poderá ser utilizado como exame complementar para classificação dos casos em multibacilares (MB) e paucibacilares (PB). Baciloscopia positiva indica hanseníase MB, independente do número de lesões. O exame histopatológico é indicado como suporte na elucidação diagnóstica e em pesquisas2.

O tratamento quimioterápico (poliquimioterapia – PQT) é indispensável ao paciente, visto que as primeiras doses da medicação matam os bacilos tornando-os incapazes de infectar outras pessoas, sendo estratégico no controle da endemia e para a eliminação da hanseníase. A regularidade do tratamento, eminentemente ambulatorial, é fundamental para a cura e a prevenção de incapacidades, destacando-se como atividade importante durante o tratamento e até mesmo após a alta11.

O paciente portador de hanseníase deve seguir uma dieta balanceada rica em nutrientes necessários ao seu bom estado nutricional, dentre eles estão carboidratos, proteínas, lipídios e vitaminas25.

A hanseníase, atualmente, é uma doença de fácil diagnóstico e tratamento, sendo este último realizado nos postos de saúde da rede básica, dispensando-se a necessidade de especialistas ou equipamentos sofisticados para a execução do controle da doença13.

No Brasil, as maiores dificuldades encontradas são o alto índice de incidência, ou seja, casos novos e a prevalência em níveis elevados em diversos municípios devido a problemas epidemiológicos e, consequentemente, devido à falta de um trabalho sistematizado junto à população em geral, bem como à falta de capacitação de pessoal da rede básica para diagnosticar e tratar os casos existentes, ressaltando-se, inclusive, o preconceito social que ainda existe13.

Um outro obstáculo a ser superado no país refere-se aos casos de abandono ao tratamento, devido à má organização interna dos serviços e à baixa cobertura dos mesmos obrigando o paciente a grandes deslocamentos na busca de um serviço diagnóstico e tratamento13.

A implantação de ações de controle da hanseníase em todas as unidades de saúde da rede básica tem custo muito reduzido, visto que não necessita de alta complexidade e os medicamentos e imunobiológicos são fornecidos pelo governo. O planejamento, execução e avaliação das ações de controle são de responsabilidade dos municípios, assessorados pelo Estado, para que assuma de forma efetiva a gerência do controle da hanseníase13.

O Ministério da Saúde preconiza que a equipe do Programa de Hanseníase deve ser multiprofissional, composta por um médico, uma enfermeira, um auxiliar de enfermagem, um agente comunitário de saúde e um sanitarista6.

 

APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Questionou-se a enfermeira do Centro Municipal de Saúde, como é feito o gerenciamento do programa de hanseníase, pelo qual é responsável. As informações passadas por ela, comparadas com o que é preconizado pelo Ministério da Saúde (MS) são consideradas ineficazes e insuficientes no âmbito do cuidado para com os portadores de hanseníase.

Do discurso das enfermeiras e da observação diária nas atividades do programa emergiu as seguintes falhas no gerenciamento do cuidado: ausência de interdisciplinariedade entre os profissionais da equipe; ausência de profissionais essenciais ao andamento do programa, a citar: ACS, assistente social, auxiliar de enfermagem, médico e sanitarista; diagnóstico realizado apenas pelos enfermeiros; ausência de solicitação de exames básicos; ausência de visitas domiciliares; falta da realização de busca-ativa; ausência de atividades direcionadas para a educação à saúde no âmbito coletivo.

De acordo com Brsil6 é de fundamental importância que haja interação entre os membros da equipe do programa, para que se possa alcançar a cura com mais rapidez. Entretanto, o mesmo não é observado no programa de hanseníase do campo de estudo pois há ausência de médicos, nutricionistas, sanitarista, assistente social, auxiliares de enfermagem, e agentes comunitários.

O diagnóstico da hanseníase é essencialmente clínico, mas os exames de baciloscopia

e histopatológico podem auxiliar muito9. Segundo as enfermeiras do programa, muitas vezes esses exames, para comprovar a existência da patologia não são requeridos, pois preferem subsidiar sua prescrição na vasta experiência que possuem sobre a patologia.

             E o tratamento começa imediatamente, todavia essa situação vai de encontro com o que é preconizado pelo Ministério da Saúde, pois é dever do enfermeiro solicitar os exames para comprovar a existência da doença6.

Com relação a recuperação e reabilitação em saúde é preconizado pelo Ministério da Saúde ao enfermeiro aplicar procedimentos de internação, referência e acompanhamento, conforme as normas vigentes dos programas de saúde; prestar cuidados básicos de saúde à clientela alvo dos programas institucionais; realizar coleta de material, segundo técnica padronizados; identificar as incapacidades físicas; aplicar técnicas simples de prevenção e tratamento das incapacidades físicas; fazer controle de doentes e contatos; aplicar o tratamento, monitorar a situação vacinal da população de risco6.

De acordo com Brasil6, também é preconizado ao enfermeiro planejar atividades de busca de faltosos, contatos e abandonos. Todavia, a enfermeira relatou que não é possível realizar as visitas ou a busca ativa devido a falta ou falhas no registro dos endereços, ou mesmo a falta de endereço fixo dos pacientes (indigentes), e tal tarefa também é dificultada pela falta de um sanitarista no posto de saúde para realização da busca ativa.

O Ministério da Saúde afirma que é imprescindível que os faltosos sejam precocemente identificados e que os contatos intradomiciliares sejam avaliados e realizem exames dermatoneurológicos6. Esse papel seria dos agentes comunitários ou de um sanitarista, contudo, não foi visto nenhum destes atuando no local do estudo.

A educação em saúde, entendida como uma prática transformadora, deve ser inerente a todas as ações de controle da hanseníase, desenvolvidas pelas equipes de saúde e usuários, incluindo familiares, e nas relações que se estabelecem entre os serviços de saúde e a  população6.

O processo educativo nas ações de controle da hanseníase deve contar com a participação do paciente ou de seus representantes, dos familiares e da comunidade, nas decisões que lhes digam respeito, bem como na busca ativa de casos e no diagnósticos precoce, na prevenção e tratamento de incapacidades físicas, no combate ao eventual estigma e manutenção do paciente no meio social6.

Durante o período em que foi realizado este estudo no campo não foi observado nenhum tipo de campanha ou palestra que pudesse transmitir informações para educação da população com relação à hanseníase. Tal fato seria essencial pelo fato da comunidade ter uma visão deturpada e ultrapassada sobre o que é, causa, transmissão, tratamento e seqüelas dos diversos tipos desta patologia.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Concluímos que para o país alcançar a meta de eliminação da hanseníase há a necessidade de que todos os estados e municípios brasileiros conheçam a sua situação epidemiológica e definam as ações prioritárias de acordo com cada situação.

O abandono do tratamento também constitui-se num importante obstáculo a ser superado uma vez que no Brasil, em media, 18% dos doentes abandonam os serviços antes de completarem o tratamento, o que tem como causas principais a má organização interna dos serviços e a baixa cobertura dos mesmos obrigando o paciente a grandes deslocamentos na busca de um serviço para seu diagnóstico e tratamento13.

A implantação de ações de controle da hanseníase em todas as unidades de saúde da rede básica hoje se apresenta como uma das soluções para o alcance da meta de eliminação. Esta implantação tem custo reduzido, pois não necessita de alta complexidade e os medicamentos e imunobiológicos são fornecidos pelo governo, sendo de responsabilidade dos municípios, assessorados pelos Estados, o planejamento, execução e avaliação das ações de controle, conduzindo a uma nova realidade na qual os municípios assumam efetivamente a gerência do controle da hanseníase.

Contudo, a falta de um trabalho sistematizado de divulgação de sinais e sintomas junto à população em geral, ausência de alguns profissionais e a falta de capacitação de pessoal e da rede de serviços para diagnosticar e tratar todos os casos existentes foram problemas observados que dificultam o bom funcionamento do programa de hanseníase.

As falhas detectadas no gerenciamento do programa de hanseníase foram sinalizadas à gerente do centro, onde realizou-se o estudo. Esta após reunião com as enfermeiras do programa convenceu-se de que o programa não pode ser exercido apenas pelas enfermeiras, e comprometeu-se na resolução das falhas detectadas. 

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

·          1. Larry KP, Georges P, Carol JB, Michael AG. Red Book: Comitê de Doenças Infecciosas. American Academy of Pediatrics. 25ed. Rio de Janeiro: EPUC; 2000. v. 2.

·          2. Brasil, Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. Brasília: Funasa; 1998.

·          3. Richardson R. Pesquisa Social. 3ed. São Paulo: Ed. Atlas; 1999.

·          4.Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ed. São Paulo: Ed. Atlas; 2002.

·          5. Trivinos AGN. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Ed. Atlas; 1987.

·          6. Brasil. Ministério da Saúde. Guia para o controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

·          7. Martelli C, Maria T, Stefani MMA, Penna GO. Endemias e epidemias brasileiras, desafios e perspectivas de investigação científica: hanseníase. Rev. Bras. Epidemia 2002; 5(3): 273-85.

·          8. Araujo MG. Hanseníase no Brasil. Rev. Soc. Bras. Méd. Trop. 2003; 36(3): 373-82.

·          9. Brasil. Ministério da Saúde. Hanseníase: cuidados para evitar complicações. Brasília: Fundação Nacional de Saúde; 1998.

·          10. Pimentel MIF, Nery JAC, Borges, E. Neurite silenciosa na hanseníase multibacilar avaliada através da evolução das incapacidades antes, durante e após a poliquimioterapia. Rev. Bras. Dermatol. 2004; 79(2):169-79.

·          11. Brasil, Ministério da Saúde. Doenças transmissíveis. Capturado em: http://www.saude.gov.br/portal/sus, acesso em 13 de setembro de 2005.

·          12. Saúde, Organização Mundial. Guia para eliminação da hanseníase como problema de saúde pública. Fundação Nacional de Saúde; 2000.

·          13. Brasil, Ministério da Saúde. Guia para implantar, implementar as atividades de controle da hanseníase nos planos estaduais e municipais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 1999.

·          15. Foss NT. Hanseníase: aspectos clínicos, imunológicos e terapêuticos. Rev. Bras. Dermatol. 2000;  74: 113-19

·          16. Van Beers SM, Wit MYL, Klaster PR. MiniReview: The epidemiology of Mycobacterium leprae: Recent insight. FEMS Microbiology Letters 1999; (136):221-30.

·          17. Hantings RC. Leprosy. Singapore: Churchill livingstone; 2000.

·          18. Talhari S, Neves RG. Dermatologia tropical – Hanseníase. Manaus: Gráfica Tropical; 2002.

·          19. Lakatos EM, Marconi MA. Fundamentos de metodologia científica. 4ed. São Paulo: Atlas; 2001.

·          20. Barata RB, Briceño R. Doenças Endêmicas: abordagens sociais culturais e comportamentais. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2000.

·          21. Brasil, Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. Salvador (BA): SESAB/SUVISA/DIVEP; 2003.

·          22. Brasil, Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. Salvador (BA): SESAB/SUVISA/DIVEP; 2004.

·          23. Lehninger, AL. Bioquímica. São Paulo: Edgard Blucher; 1976. 

·          24. Robbins SL, Cotran RS, Kumar, V, Collins T. Patologia estrutural e funcional. 6ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000.

·          25. Garcia, EM. Atendimento sistematizado em nutrição: elaboração, estruturação, implantação e operacionalização do atendimento dietoterápico domiciliário e ambulatorial na prática. São Paulo: Atheneu; 2002.

 

 

Correspondências: enviar para Cátia Andrade Silva; endereço: Rua Marechal Floriano, n.º396, AP. 105, Ed. Jardins do Canela, Canela, Salvador- BA. CEP: 40110-010.         

e-mail: aitac-sa@bol.com.br / aitacsa@hotmail.com

 

3º ciclo de formación en Creatividad acorde con la C.U.E.

               > Programa profesional (abierto a todos)
               > Master (para titulados)
               > Doctorado (para masters)

Julio 2005. INTENSIVO.    www.micat.net