<%@LANGUAGE="JAVASCRIPT" CODEPAGE="1252"%> EXPRESSÕES INTEGRADAS NO JARDIM-DE-INFÂNCIA
Revista Recre@rte Nº3 Junio 2005 ISSN: 1699-1834                                 http://www.iacat.com/revista/recrearte/recrearte03.htm

EXPRESSÕES INTEGRADAS

NO JARDIM-DE-INFÂNCIA.

PROJECTO DE INOVAÇÃO E APRENDIZAGEM

 

Eva Mª Santos Lacerda Corrêa

Coordenadora do Curso Superior de Animação Cultural

Professora do Instituto Superior de Ciências Educativas – ISCE

Odivelas – Ramada

Portugal

SENTIDO DO PROJECTO

Por excelência o Jardim-de-infância é considerado um espaço muito rico na exploração de actividades criativas.

As orientações curriculares referem que “ A Educação pré – escolar deve fornecer suportes que permitam desenvolver a imaginação criadora como procura e descoberta de soluções e exploração de diferentes mundos” (p.56)

A palavra criatividade é actualmente usada de uma forma abusiva, sem o seu verdadeiro significado. Quantas vezes ouvimos dizer que as actividades planificadas são criativas, mas se compararmos com planificações dos anos anteriores, elas são muito idênticas ou até mesmo iguais…

A importância que o estímulo da criatividade deve ter na função docente surge expressa de forma explícita no Estatuto da Carreira Docente quando, no seu artigo 10º, refere como deveres profissionais específicos do pessoal docente, entre outros:

“Contribuir para a formação e realização integral dos alunos, promovendo o desenvolvimento das suas capacidades, estimulando a sua autonomia e criatividade , incentivando a formação de cidadãos civicamente responsáveis e democraticamente intervenientes na vida da comunidade.”

Citando Novaes (1973) ”destacar a dimensão da criatividade na educação implica promover atitudes criativas , dinamizando as potencialidades individuais, favorecendo a originalidade, a apreciação do novo, a inventiva, a expressão individual, a curiosidade e sensibilidade em relação aos problemas, a receptividade em relação às ideias novas, a percepção da auto direcção.”

Já Ricardo Marin (1974) afirmou que “uma das primeiras condições para uma pedagogia criativa , é a de habituar o aluno a situar-se perante o futuro com uma atitude inovadora”

Quantos educadores procuram desenvolver realmente planificações criativas, mas não se sentem seguros em arriscar propostas diferentes?

Como é que podemos desenvolver a criatividade no Jardim-de-infância e planificar de uma forma criativa e inovadora?

Como é que temos a certeza que as planificações de actividades que propomos, são realmente criativas?

Estas foram algumas das questões que deram início a este projecto de expressões integradas , que começou com o estudo dos Activadores Criativos .

Considerando os Activadores Criativos procedimentos estruturados de aplicação prática que dinamizam a criatividade, nesta medida, são meios, instrumentos, que se podem utilizar para potenciar a inovação e a criatividade.

A finalidade genérica dos activadores criativos é desenvolver a criatividade global, mais especificamente, desencadear e desenvolver com segurança a criatividade, a imaginação, a fantasia nas pessoas que os aplicam e ao mesmo tempo, projectar a sua aplicação técnica no campo profissional em que cada pessoa trabalha. Assim, a partir de um tema ou projecto em que as crianças de Jardim-de-infância estejam envolvidas, o educador poderá, de forma lúdica, ajudá-las na procura de soluções inovadoras e na sua exploração, desenvolvendo assim uma planificação estratégica criativa.

Cada activador criativo, desenvolve um tipo de criatividade e é mais idóneo para umas funções e aplicações profissionais do que para outras.

Assim, temos de conhecer e praticar cada activador para saber que processos criativos desenvolvem e especificamente para que servem.

Citando Saturnino de la Torre (1995) “A Criatividade é como o grão de trigo, só produz riqueza quando é cultivado…”

Desta forma, precisamos dos instrumentos correctos para produzir a criatividade, sem dúvida que neste projecto os activadores criativos foram as ferramentas utilizadas.

Este projecto reforçou a necessidade de usar instrumentos para uma planificação estratégica criativa, através das linguagens expressivas com base nas orientações curriculares.

O Projecto Expressões Integradas tem como objectivos principais:

•  Identificar e classificar os activadores criativos.

•  Dominar e aplicar técnicas de expressão criativa.

•  Seleccionar e utilizar as técnicas mais indicadas face às produções de cada criança.

•  Desenvolver a criatividade e as possibilidades de expressão.

•  Desenvolver actividades criativas para o jardim-de-infância.

•  Planificar actividades inovadoras com base nas orientações curriculares.

•  Desenvolver estratégias criativas através dos activadores criativos.

•  Criar projectos inéditos através dos activadores criativos.

Ao longo do projecto são desenvolvidos vários conteúdos:

•  A Multidimensionalidade da Criatividade

•  A Criatividade e a Expressão

•  A Actividade Criativa

•  Os Activadores Criativos: instrumentos necessários para desenvolver a criatividade

•  O Método Criativo

•  A Actividade Criativa numa perspectiva interdisciplinar

•  As Linguagens Expressivas

•  Dramática/Corporal

•  Escrita/Verbal/Poética/Não Verbal

•  Sonora/Musical

•  Plástica/Artística

•  As Expressões integradas

•  As expressões integradas na planificação de jardim-de-infância.

•  O Projecto Criativo no Jardim-de-infância

A metodologia utilizada neste projecto é considerada:

•  Uma metodologia activa de ensino/aprendizagem , onde o formando, através da experimentação dos vários activadores, (em cada sessão) será capaz de desenvolver actividades criativas para o Jardim-de-infância, de acordo com as orientações curriculares, desenvolvendo técnicas de expressão criativa.

A Avaliação deste projecto é feita através de:

•  Participação em propostas de grupo e individuais, orais e escritas que surgem ao longo do desenvolvimento dos activadores criativos. (avaliação contínua)

•  Trabalho de grupo escrito (desenvolvido ao longo das sessões)

- O trabalho consiste na elaboração de uma planificação criativa (Projecto Criativo) utilizando as Expressões Integradas de acordo com os conteúdos das Orientações.

•  Apresentação oral de um resumo do trabalho.

•  Apresentação prática (aproximadamente, 1 hora para cada grupo) de uma das actividades do trabalho, considerada por todos como sendo a mais criativa

Assim, o projecto desenvolve-se com profissionais do ensino pré-escolar, onde inicialmente se dá a conhecer um pouco da dimensão da Criatividade na educação:

•  COMPONENTES BÁSICAS DA CRIATIVIDADE

•  Promover, atitudes criadoras

•  Dinamizar potencialidades individuais

•  Favorecer a Originalidade, a Apreciação pelo Novo

•  Desenvolver a Inventiva, a Expressão Individual, a curiosidade e Sensibilidade.

•  Promover o Respeito pelos problemas

•  Promover a receptividade às ideias novas

•  Desenvolver a autonomia

 

 

•  CRITÉRIOS DE CRIATIVIDADE

 

•  Originalidade

•  Produtividade ou Fluidez

•  Flexibilidade

•  Elaboração

•  Análise

•  Síntese

•  Sensibilidade para os problemas

•  Abertura mental

•  Comunicação

•  (re) Definição

•  Inventiva

 

A importância de saber como desenvolver a criatividade, é sem dúvida um processo importante e adquirido ao longo das sessões, onde cada activador (instrumento) é trabalhado com exemplos práticos de jardim-de-infância:

 

•  MÉTODOS/ TÉCNICAS/PROCESSO

•  O método é uma via, uma forma geral de procedimento de modo a conseguir atingir um objectivo previamente colocado. (em didáctica os métodos são importantes para ensinar, em criatividade são procedimentos mentais para produzir ideias e solucionar problemas)

•  A técnica é algo mais concreto e sistemático; implica a sucessão de uma série de etapas para chegar ao final.

Comparando….

O método indica a via consciente, enquanto a técnica faz parte do processo.

O método desenvolve o Pensamento criativo, a técnica explora todas as etapas do procedimento mental.

São precisamente estas etapas do processo mental, que os activadores desenvolvem. Desta forma os formandos conhecem algumas técnicas através dos activadores, mas os métodos utilizados, não são sistematizados.

Assim, no processo mental criativo utilizamos diferentes:

 

•  Métodos

Em cada um deles utilizamos diferentes:

•  Técnicas

Que resultam num:

•  Produto Criativo

 

•  COMO SABER SE UM PRODUTO É CRIATIVO?

 

Quando questionamos se um produto é ou não criativo, estamos já a falar de critérios.

Sabemos que não chega ter uma ideia, temos de demonstrar que é original e valiosa. Todo o processo criativo centrado nos parâmetros já assinalados, resulta de um produto criativo e por isso alguns autores como Mc. Pherson (1964), Brodgen e Sprecher (1964), Newell, Shaw e Simon (1958), Saturnino de La Torre (1998), entre outros, se dedicaram ao estudo dos critérios, para estabelecer níveis de criatividade nos produtos.

Falamos de critérios…

•  O processo criativo obriga a um produto criativo

•  Níveis ou Indicadores de criatividade

 

•  SÍNTESE DOS PARÂMETROS MAIS IMPORTANTES DO PRODUTO CRIATIVO

•  Transformação : um produto que reformula uma situação, aquele que apresenta novas combinações de elementos que oferecem novas perspectivas

•  Condensação : um produto que unifica uma grande quantidade de informação. Um produto que obriga o observador a pensar nele.

•  Área de aplicação : um produto que gera actividade criadora adicional. Taylor chama-lhe “criatividade emergente”

•  Cada área é um caso e temos de ser flexíveis na valorização de cada produto, não esquecendo a importância da relação:

Pessoa / Meio / Processo / Produto Criativo

•  AS EXPRESSÕES INTEGRADAS

 

•  O QUE SÃO AS EXPRESSÕES INTEGRADAS?

 

O princípio básico da necessidade de integração curricular é sem dúvida um dos fundamentos das orientações curriculares. Existe assim a necessidade de uma “construção articulada do saber – o que implica que as diferentes áreas a contemplar não deverão ser vistas como compartimentos estanques, mas abordadas de uma forma globalizante e integrada .” (ME/DEB/NEP, 1997:14).

Este currículo integrador leva-nos às três grandes áreas de conteúdo:

- Formação pessoal e social – área transversal e integradora que, “tendo uma intencionalidade própria se inscreve em todas as outras”, ligada ao processo de organização de grupo…

- Expressão e Comunicação – área que “engloba os instrumentos essenciais para a criança continuar a aprender ao longo da vida”, é aquela que aparece com vários domínios.

- Conhecimento do Mundo – Corresponde ao que normalmente conhecemos como estudo do meio, apesar da sua designação procurar ser mais abrangente, onde a noção de “meio”, procura ser entendido como meio próximo e imediato. (Roldão, 1995)

Estas áreas não podem ser vistas isoladamente, nem os seus domínios serem pontos de partida para o desenvolvimento curricular. Exemplo da perspectiva de Gardner, que parte da Matemática para desenvolver todas as áreas curriculares do jardim de infância (Smole,1996)

Expressões Integradas é um projecto que a partir de instrumentos de criatividade – Activadores – o educador explora com consciência e segurança todas as áreas de conteúdo e todos os seus domínios específicos, através do processo criativo desenvolvido por cada activador.

Obrigatoriamente, todo este processo mental criativo (no início muito consciente, através de cada etapa do activador que se trabalha), vai culminar num produto criativo , que neste caso é sem dúvida uma planificação criativa para o jardim-de-infância,

Este processo desenvolve-se através de conteúdos já conhecidos, que normalmente se trabalham em função de temáticas abordadas na sala de jardim-de-infância, mas poderão existir outras opções de partida.

 

•  EXPRESSÕES INTEGRADAS

É desta forma que para cada activador , existe um processo criativo , que culmina num produto criativo que é uma planificação criativa , contemplando as expressões integradas que vai de encontro a um currículo globalizante e integrador.

Sem dúvida, que como qualquer profissional, no final, cada formando tem de avaliar a sua planificação, usando os critérios já mencionados acima, que o ajudam a elaborar as várias avaliações de melhora.

É importante referir que em qualquer momento que se utilizem os activadores, mesmo que se desenvolva a mesma temática, o resultado final é sempre diferente, e desta forma a planificação criativa é sempre inovadora.

É esta segurança que os Activadores nos dão, sendo sem dúvida instrumentos indispensáveis na educação.

Há que salientar que este projecto abrange também outras áreas de formação, nomeadamente o 1º ciclo e a Animação Cultural, com os ajustes necessários na planificação à respectiva área de formação.

Não podemos expor aqui todas as etapas de cada activador e os resultados finais como projecto criativo. Podem ser consultados vários projectos criativos na biblioteca do Instituto Superior de Ciências Educativas, podendo perceber-se a dinâmica das disciplinas que se fundamentam nesta dinâmica criativa. No entanto, apresentamos de seguida um breve exemplo, não desenvolvido na totalidade, mas apenas para se percepcionar como se pode chegar a uma planificação diferente e inovadora.

Apresentamos apenas um dos 10 activadores, o mais conhecido e de fácil exposição – O Turbilhão de ideias.

 

EXEMPLO PRÁTICO

 

•  Tema: Estações do Ano – Verão – Praia

•  Técnica: Turbilhão de Ideias

•  Objectivos:

- Trabalhar de uma forma criativa o tema A Praia

- Desenvolver as Expressões Integradas numa planificação criativa.

- Desenvolver a fluidez de ideias sobre o tema.

- Adquirir fluência de ideias e agilidade mental através da promoção de ideias.

- Proporcionar liberdade de expressão.

 

Etapas:

 

  1. Colocar ao grupo uma pergunta divergente sobre o tema a trabalhar:
  1. Categorização de ideias:

•  Objectos:…..

•  Sensações:….

•  Perguntas:…

Cada grupo faz a sua categorização, escrevendo em cada categoria as

frases, palavras ou imagens da etapa 1.

 

  1. Selecção de palavras/imagens/ideias de cada categoria da etapa 2

“Ai que bom que é a praia!”

Frase a ser utilizada como refrão de uma música: criar uma nova canção com a melodia da canção “O Mar enrola na areia”

Expressão musical

“ Chinelos”

Dobragem dos chinelos: fazer a dobragem dos chinelos com vários tamanhos. Trabalhar a geometria através da dobragem e da medição de comprimentos através dos vários tamanhos dos chinelos. Criar uma tabela de medição com as várias dobragens

Matemática

“A praia gosta das pessoas?”

Sessão de Movimento segundo o método Laban, onde o grupo imagina estar na praia e dialogar com ela movimentando-se de acordo com a planificação Laban e a história elaborada.

Motora/corpora l

“A areia é formada por?..”

Ver ao microscópio um grão de areia e fazer o registo gráfico (pintura, carvão, colagem.)

Grafismos na areia: diferentes grafismos com o dedo na areia da praia ou do jardim e com cola na sala, elaborar um dos grafismos do exterior, de modo a elaborar um placar de grafismos

Pesquisar nas enciclopédias, Internet, livros, ou perguntar a um professor sobre a composição do grão de areia.

Elaborar um placar com a informação obtida.

Esta pesquisa pode ser feita em casa com a ajuda dos pais, avós, ou pelas crianças no jardim-de-infância.

Estudo do Meio

Expressão escrita

Expressão plástica

“Animais que existem”

Depois de pesquisar sobre os animais que existem na areia, criar um animal único com material de desperdício: imaginar características, revestimento, voz, locomoção etc.

Criar um diálogo com os vários animais criados através das características imaginadas.

Elaborar o “fato revestimento”, com material da sala, para cada animal criado e improvisar sobre estes novos animais.

Expressão artística tridimensional

Expressão dramática

“Ai o sol é tão bom!”

Elaborar um pequeno poema colectivo, através de sensações e ideias de cada elemento, ao continuar a frase seleccionada

Expressão poética

“Balde”

Encher vários baldes de tamanhos iguais com quantidade de água diferente e tocar com paus para ver o som diferente que fazem.

Com vários baldes diferentes, construir diferentes tambores, tapando com diferentes materiais a entrada.

Expressão sonora

“O mar e a areia são amigos?”

Lembrar regras básicas na praia: Tipo de bandeiras e o seu significado, preservação do ambiente, ser amigo da praia deitando o lixo no caixote, respeitar os conselhos do nadador salvador, etc.

Aprender as cores das bandeiras em Inglês.

Valores e Cidadania

Expressão verbal

Língua estrangeira

 

  1. Apresentação de planificação criativa de acordo com as ideias que surgiram na etapa anterior.

Utilização de uma grelha de planificação onde todas as actividades propostas aparecem de acordo com os parâmetros habituais de planificação

 

Nota: A planificação aqui apresentada é apenas uma proposta a ser trabalhada e até alterada, quando se chegar à etapa 4. O que se pretende aqui mostrar, é a facilidade do processo criativo, através das etapas do activador. Também é possível comprovar a facilidade que existe, em trabalhar uma temática de uma forma globalizante e sistematizada.

AVALIAÇÃO

Ao longo destes anos é gratificante constatar que apesar de muitas vezes a temática ser igual, as propostas dos projectos criativos, são sempre diferentes.

Também é gratificante saber que tanto os jovens profissionais, como já educadores com muitos anos de experiência, captam rapidamente este tipo de metodologia e a aplicam na sua vida profissional.

Tudo se baseia no processo criativo e por muito que digam que não são criativos, no final os resultados demonstram que todos somos capazes de o ser.

Para aqueles em que a criatividade “brota” com facilidade, ajuda-os na sistematização, pois a dificuldade para esses profissionais, reside sobretudo na planificação sistemática dessas ideias.

Por todas estas razões e muitas outras aqui não expostas, o Projecto Expressões Integradas tem evoluído, ao longo destes 3 anos, com grande sucesso e apesar desta ter sido a 1ª área de formação implicada, já outras se desenvolveram abarcando outras áreas de formação.

É sem dúvida urgente alterar a rotina de planificação e apostar em novas formas criativas e inovadoras de trabalhar na área de educação. Com o conhecimento e prática de novos métodos e técnicas, isto não só é possível, como gratificante para qualquer profissional da educação que queira desenvolver a criatividade e a inovação.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

Corrêa, Eva Mª (2002): Interacção Corpo Û Aprendizagem – Contributos para um Ensino Criativo. Dissertação de Mestrado em Criatividade Aplicada. Universidade de Santiago de Compostela/ Prodep/ Instituto Superior de Ciências Educativas.

 

Departamento da Educação Básica (1997): Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Ministério da Educação. Lisboa

 

Roldão, M. C. (2001): A formação como projecto: Do plano – mosaico ao currículo como projecto de formação. In: Campos B.P. (Org.): Formação Profissional de Professores do Ensino Superior. Porto Editora/INAFOP. Porto

 

Prado, D. (1998): 10 Activadores Criativos. Serviço de Publicações da Universidade de Santiago de Compostela. Santiago de Compostela

 

Prado, D. (2000): Educrea: la creatividad, motor de la renovación esencial de la educación. Publicações da Universidade de Santiago de Compostela. Santiago de Compostela.

 

Torre, S. de la (1995): Creatividad Aplicada: recursos para una formación creativa. Editorial Escuela Española. Madrid

3º ciclo de formación en Creatividad acorde con la C.U.E.
               > Programa profesional (abierto a todos)
               > Master (para titulados)
               > Doctorado (para masters)

Julio 2005. INTENSIVO.    www.micat.net